Cenas épicas: A captura do Duende

  Cenas épicas, desta vez sobre Game of thrones, cuja terceira temporada se aproxima. Confiram:





  Como dito no vídeo, o episódio era o 4: Cripples, Bastards and Broken Things. Catelyn pretendia passar despercebida por aquela pousada, porém não foi capaz de se esconder de tyrion, que ao percebê-la, obrigou a senhora Stark a fazer um movimento ousado: após recorda a amizade de seu pai com os senhores dos cavaleiros ali presentes, e de acusar o Lannister de tentar assassinar Bran, convoca a todos ali presentes, em nome do Rei Robert, a capturarem e ajudarem a levra Tyrion para Winterfell, para a justiça... as espadas em uníssono, encurralam o anão, que não esperava por isso...

  Tão épico quanto a cena, o trecho no livro:


"- Estalajadeiro - disse uma voz de criado atrás dela -, temos cavalos que precisam de estábulo, e meu senhor de Lannister deseja um quarto e um banho quente.
- Ah, deuses - disse Sor Rodrik antes que Catelyn o conseguisse silenciar, seus dedos apertando-se com força em torno de seu braço.
Masha Heddle desfazia-se em reverências e sorria seu hediondo sorriso vermelho.
- Lamento, senhor, deveras, estamos cheios, todos os quartos.
Eram quatro, Catelyn viu. Um velho trajando o negro da Patrulha da Noite, dois criados... e ele, ali em pé, pequeno e descarado como a vida.
- Meus homens dormirão no seu estábulo, e quanto a mim, bem, não preciso propriamente de um quarto grande, como pode ver bem - mostrou um sorriso zombeteiro. - Desde que o
fogo aqueça e a palha esteja razoavelmente livre de pulgas, sou um homem feliz.
Masha Heddle estava fora de si.
- Senhor, não há nada, é o torneio, não há nada a fazer, ah...
Tyrion Lannister tirou uma moeda da bolsa, atirou-a por cima da cabeça, apanhou-a, e a atirou de novo. Mesmo na outra ponta da sala, onde Catelyn se encontrava, o cintilar do ouro era inconfundível.
Um cavaleiro livre com um desbotado manto azul pôs-se em pé:
- É bem-vindo ao meu quarto, senhor.
- Ora, aqui está um homem inteligente - disse Lannister, e atirou a moeda a rodopiar pela sala fora. O cavaleiro livre a apanhou no ar. - E, além disso, ligeiro de movimentos - o anão virou--se para Masha Heddle: - Confio que seja capaz de arranjar comida?
- Tudo o que desejar, senhor, tudo e mais alguma coisa - prometeu a estalajadeira. E que ele sufoque com a comida, pensou Catelyn, mas foi Bran quem ela viu sufocar, afogando-se no próprio sangue.
Lannister lançou um olhar de relance pelas mesas mais próximas.
-Meus homens comerão seja o que for que esteja servindo a essa gente. Porções duplas, porque tivemos um longo dia de viagem. Quero uma ave assada... galinha, pato, pombo, não importa. E mande-me um jarro do seu melhor vinho. Yoren, janta comigo?
- Sim, senhor, janto - respondeu o irmão negro.
O anão nem sequer olhara de relance para a extremidade mais distante da sala, e Catelyn pensava em como se sentia grata
pelos bancos apinhados que havia entre eles, quando subita-mente Marillion deu um salto e pôs-se em pé.
-Meu senhor de Lannister! - ele gritou. - Ficarei feliz em entretê-lo enquanto se alimenta, Deixe-me cantar o lai...
- Nada me arruinaria mais o jantar - o anão disse secamente. Seus olhos desiguais avaliaram brevemente o cantor, começaram a se afastar... e deram com Catelyn. Olhou-a por um momento, confuso. Ela virou o rosto, mas era tarde demais. O anão sorria. - Senhora Stark, mas que prazer inesperado - ele disse. - Lamentei não tê-la encontrado em Winterfell. sobre a grande vitória de vosso pai em Porto Real.
Marillion a olhou de boca aberta, com a confusão cedendo lugar ao desgosto enquanto Catelyn se punha em pé, Ouviu Sor Rodrik praguejar. Se ao menos o homem se tivesse demorado na Muralha, pensou ela, se ao menos...
- Senhora... Stark? - disse Masha Heddle, sem compreender.
- Ainda era Catelyn Tully da última vez que pernoitei aqui - ela disse à estalajadeira. Ouvia os murmúrios, sentia os olhos postos em si. Lançou um olhar pela sala, olhando para o rosto dos cavaleiros e as espadas juramentadas, e inspirou profundamente para abrandar o frenético bater do coração. Atrever-se-ia a correr o risco? Não havia tempo para pensar bem, apenas o momento e o som de sua voz a ressoar em seus ouvidos.
- O senhor aí, no canto - disse para um homem mais velho em que não reparara até agora. - É o morcego negro de Harrenhal que vejo bordado em seu manto, senhor?
O homem ergueu-se.
- É sim, senhora.
- E é a Senhora Whent uma verdadeira e honesta amiga de meu pai, Lorde Hoster Tully de Correrrio?
- É, sim - o homem respondeu resolutamente.
Sor Rodrik ergueu-se em silêncio e desapertou a espada em sua bainha. O anão piscava, sem expressão, com os olhos desiguais repletos de perplexidade.
- O garanhão vermelho foi sempre uma visão bem-vinda em Correrrio - disse Catelyn ao trio perto do fogo. - Meu pai conta Jonos Bracken entre os seus mais antigos e leais vassalos.
Os três homens de armas trocaram olhares incertos,
- Nosso senhor sente-se honrado pela sua confiança - disse um deles, hesitantemente.
- Invejo ao seu pai todos esses bons amigos - observou Lannister -, mas não compreendo bem o objetivo disto, Senhora Stark.
Ela o ignorou, virando-se para o grande grupo vestido de azul e cinza. Residia neles o fulcro da questão; eram mais de vinte.
- Também conheço seu símbolo: as torres gêmeas de Frey. Como passa vosso bom senhor, senhores?
O capitão pôs-se em pé.
- Lorde Walder está bem, senhora. Planeja tomar uma nova esposa no nonagésimo dia do seu nome, e pediu ao senhor seu pai para honrar o casamento com sua presença.
Tyrion Lannister soltou um risinho abafado. Foi nesse momento que Catelyn soube que o tinha na mão.
- Este homem chegou como convidado a minha casa e ali conspirou para matar meu filho, um rapaz de sete anos - proclamou para toda a sala, apontando. Sor Rodrik deslocou-se para o seu lado, de espada na mão. - Em nome do Rei Robert e dos bons senhores que servem, solicito-lhes que o capturem e me ajudem a devolvê-lo a Winterfell, onde esperará a justiça do rei.
Não saberia dizer o que lhe deu maior satisfação: se o som de uma dúzia de espadas a serem empunhadas como uma só, ou se a expressão no rosto de Tyrion Lannister."


Cenas épicas: A captura do Duende Cenas épicas: A captura do Duende Reviewed by Jyuuken Cronicaex on 02:07:00 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.