Sob a estrela da morte

  Em meio aos escombros da cidade onde costumava ser seu lar, e em meio as almas que costumavam ser sua família, foi dessa forma que fora encontrado um garoto. Um simples garoto que pra viver, havia se juntado a um bando de ladrões que assaltavam viajantes indefesos. Tomado pelo sentimento de inferioridade e de impotência, este garoto nutria um ódio, não só aos espectros que haviam destruído sua vida. Mas
também a entidade morte.
 Odiava a morte, pois diante dela, a vida humana de nada valia. "Todos somos lixo", vidas frágeis ao vento, que nada podem fazer quanto ao seu destino, que é ser consumado, cedo ou tarde.

 Mas esse garoto foi encontrado por um grande homem. Um homem que mudaria seu rumo. Um homem que, através do esforço e da dedicação, faria o nome Manigold entrar para história. Antigo cavaleiro de Câncer, Sage não teve dúvidas quanto ao potencial de Manigold, visto que o garoto, mesmo tão jovem, já era capaz de ver os espíritos que dançavam em sua volta. Levou-o ao Santuário, onde o treinou.

 E o garoto se tornou homem. Não um homem comum. Não, mas um dos doze Cavaleiros de Ouro, tidos como os mais poderosos dentre os cavaleiros de Athena: Manigold de Câncer. Apesar de não ser um exemplo de boa conduta, Manigold tem traços fortes, é arrogante e cruel com seus inimigos, mas daria sua vida para proteger seus companheiros.
 E é justamente por isso que, sem pensar duas vezes, ele entra em confronto com um deus. Mas não um deus qualquer.

 Sua vida inteira fora para esse momento. Era esse deus que ele desejava enfrentar. Aquele que despreza os humanos, que os trata feito lixo. Thanatos, o deus da morte!
 Sim, ele era inferior ao deus. Não, ele não tinha chances. Mas mesmo assim, não recuou. Nunca recuaria. Estava ali, e morreria ali. Mas não sem antes acertar o maldito deus a quem odiara desde criança. Sim, sua vida se resumia naquela luta.

 Mas foi com bravura que encarou tudo isso. Ao lado de seu mestre. É ali que fica claro o relacionamento que existe entre os dois. Ambos trajaram a armadura de ouro de câncer. Ambos firam todos seus companheiros morrerem diante de si. Ambos estavam ali, com apenas uma intensão: Acabar de uma fez por todas com o reinado de terro daquele deus mesquinho.

 Mas a diferença de poderes é enorme. Mas eles sabiam. Manigold encara com um sorriso o fato de já não
haver volta. E mesmo quando perde uma perna, ainda não se entrega. E é ele, o primeiro a acertar o deus. Com o próprio punho.

 Qual é o tamanho de sua determinação? Ele que viveu sua vida intensamente, que foi salvo por seu mestre de se afundar numa espiral de dor e desespero, deixou bem claro, para que todos os deuses pudessem compreender, que até mesmo eles não eram invencíveis. Seu sacrifício ecoou pelos quatro cantos do universo. Caia ali, junto ao deus da morte, dois homens grandiosos. Sage e Manigold, nascidos sobre a estrela da morte, cavaleiros que tiveram estradas manchadas de sangue, mas que nem mesmo um deus pode subjulgar!






 E então galera? O que acharam do post? Na minha humilde opinião, ficou épico! O título ficou bem parecido com um outro post feito recentemente, mas dá nada não. Essa semana eu comecei a jogar Dark Souls 2, e o jogo tá fantástico!! Bom, não deixe de visitar o Icoocioso, nem de conferir os demais posts aqui do blog! Ah, é claro, um comentário faz tudo valer a pena. Eu sou Jyuuken, e vou zera Dark Souls 2!
Sob a estrela da morte Sob a estrela da morte Reviewed by Jyuuken Cronicaex on 22:24:00 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.