Soa - o começo de uma longa estrada

Sons of Anarchy foi uma série que me marcou. Ao longo de suas sete temporadas, um turbilhão de sentimentos tomou conta de mim, enquanto cada vez mais eu me sentia apegado aqueles personagens. Já devo ter feito um post sobre essa série aqui no blog, mas pretendo fazer algo parecido com o que tenho feito sobre a hq de The Walking Dead, uma série de posts falando sobre muitas das coisas que me marcaram ao longo de tantos episódios.
É claro que os spoilers estão aí.



A primeira temporada começa alegre, cheia de confusão e risadas. Os Sons of Anarchy são uma gangue de motoqueiros, cheios de barba e testosterona, envolvidos em vários negócios sujos, inclusive o tráfico de armas. Tem uma rixa ferrenha com os Mayans, uma gangue mexicana de também motoqueiros, que já de cara causa seus problemas.
Somos devagarzinho apresentados a esse grupo, liderado por Clay, velho, carrancudo, ambicioso, mas queridão por todos. Casado com Gemma, uma mulher pulso firme o suficiente para coloca-la como figura de respeito na gangue. Respeito, esse é um dos principais sentimentos que os membros do clube nutrem uns pelos outros, são uma família.
Isso pode soar piegas, mas a ideia não é forçada, mas sim construída, aos poucos. A primeira temporada inteira serve para isso, nos mostrar quem são essas pessoas, e como elas se respeitam.
Jax, nesse começo não passa de um brigão. Arruma briga em praticamente todos os episódios, algo muito divertido de ver. Ao mesmo tempo, ele começa a se reaproximar de Tara, uma namorada da juventude, que havia ido embora.
Mas Jax tem um filho, com a problemática Wendy, que por problemas com drogas acaba sendo internada, e desaparece pelas primeiras temporadas. Pela ausência da ex, e o retorno da antiga paixão, Jax vai se envolvendo cada vez mais com a Tara, enquanto reluta se deve ser pai ou não.
Desde o início, Jax questiona o que seu clube faz. Após encontrar antigos manuscritos de seu falecido pai, ele passa a refletir se não é necessário começar com mudanças no clube. Mudanças que ele nem sequer imagina como fazer.

Tig é um maluco. Bobby faz cover de Elvis. Chibs tem um respeito imenso por Jax. Juice é um fanfarrão. O Half Sack luta boxe. Piney é um ranzinza. Otto está preso e vai continuar assim. E um membro, Opie, acabou de sair da prisão. Aos poucos vamos decorando os nomes. Aos poucos, você vai conhecendo essa galera.
Opie está tentando se manter afastado do clube, por vontade de sua esposa, Donna. Ela quer cortar vínculos com todos eles, não pode arriscar ter seu marido preso novamente, e isso os divide. Opie quer voltar, precisa voltar...
A temporada é bem tranquila, até certo ponto. Até que os problemas começam. Eu não consigo me sentir triste ao escrever sobre Soa. Simplesmente não consigo. Quando olho para os primeiros episódios, e os vejo todos unidos, alegres... vivos... meu coração dói. Aqui começam os problemas, quanto a agente Sthal surge, determinada a pegar os Sons.



Primeiro, o passado de Tara a persegue, com um ex-namorado abusivo e psicótico, que é agente federal eu acho... não lembro nem o nome do doente, mas o cara persegue Tara até Charming, entrando em conflito com Jax. Inicialmente o conflito é mais algo de quem pode mais. Até que as coisas vão saindo do controle.
Sthal tenta usar Opie contra o grupo. Fazê-lo entrega-los. Mas a lealdade faz o plano falhar. A agente apela, e faz parecer que Opie fez algum acordo. O grupo começa a desconfiar. Clay começa a desconfiar.
Um dos pontos mais tensos é quando o agente psicótico tenta estuprar Tara. A doutora, com muita calma, consegue reverter a situação, e chama por Jax. Aquilo era um ciclo sem fim. Jax mata o agente, sem nem mesmo pensar duas vezes.
Clay sempre foi paranoico. E a desconfiança lhe deixa cego e irracional. Decide que Opie deve ser morto.
Donna havia aceitado o clube. Abraçado a ideia de que Opie era, e sempre seria, um Sons. E ela paga o preço.
Por uma ironia do destino, ela troca de carro com seu marido. Exatamente na noite que Tig irá emboscar e matar Opie. O braço direito de Clay obedece às ordens sem questionar, tudo pelo clube, ele não se importa de sujar as mãos com o sangue de um irmão, traidor aparentemente.
Mas quem ele mata é a Donna. Atirando por trás do carro, ele nem mesmo viu quem estava no
volante. A tragédia que encerra a primeira temporada, divide Clay e Jax, que se revolta totalmente com a atitude de seu líder.
Mas o segredo deve ser guardado.  A culpa cai sobre os niners, uma outra gangue local. Mas nessa série, mentiras sempre trazem consequências.

A primeira temporada nos mostra o quão implacável Clay pode ser quando acredita estar fazendo a escolha certa. Mas suas escolhas nem sempre são acertadas, e Opie é só um dos primeiros a sofrer com isso.
Soa - o começo de uma longa estrada Soa - o começo de uma longa estrada Reviewed by Jyuuken Cronicaex on 22:41:00 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.