Maze Runner: a verdade é terrível demais para encarar

 Queridos mafagafinhos e mafagafinhas que acompanham as futilidades de meu querido blog, hoje lhes trago minha humilde opinião de cavaleiro de bronze (como isso soa nerd) sobre um livro que terminei de ler ontem: Maze Runner: Correr ou Morrer.




"Ao acordar dentro de um escuro elevador em movimento, a única coisa que Thomas consegue lembrar é de seu nome. Sua memória está completamente apagada. Mas ele não está sozinho.

Quando a caixa metálica chega a seu destino e as portas se abrem, Thomas se vê rodeado por garotos que o acolhem e o apresentam à Clareira, um espaço aberto cercado por muros gigantescos. Assim como Thomas, nenhum deles sabe como foi parar ali, nem por quê. Sabem apenas que todas as manhãs as portas de pedra do Labirinto que os cerca se abrem, e, à noite, se fecham. E que a cada trinta dias um novo garoto é entregue pelo elevador. Porém, um fato altera de forma radical a rotina do lugar - chega uma garota, a primeira enviada à Clareira. E mais surpreendente ainda é a mensagem que ela traz consigo.

Thomas será mais importante do que imagina, mas para isso terá de descobrir os sombrios segredos guardados em sua mente e correr, correr muito. "


 Primeiro livro de uma trilogia de quatro, escrito por James Dashner, o livro fala sobre os Clareanos, e o terrível desafio que lhes cerca: o Labirinto, lugar que além de enigmático, é o lar de criaturas muito peculiares, os assombrosos Verdugos. É muito difícil descrever as criaturas, então deixo uma fotinha que vale 1000 palavras:


 A história é muito boa, o escritor consegue passar um sentimento de desespero, confusão, medo, e levanta mais perguntas do que resposta, o que obriga-nos a continuar a ler. Ele não entrega todas as respostas, e as que entrega, deixam mais perguntas ainda...

 Uma coisa peculiar, é que existem três palavras presentes em todo o livro: Mértila, Trolho e Plong, usadas para xingamentos, sendo que Plong é merda, e as outras duas eu não sei o que significam. Então é muito comum os muleques soltarem frases tipo: " Seu trolho cara de mértila, tudo que você diz é um monte de plong!", e esse é um detalhe peculiar do autor, criar os próprios xingamentos.

 O livro não atinge um nivel épico como um livro do Tolkien ou Martin, mas são poucos os que atingem esse nível. Maze Runner é um livro muito bom, uma ficção científica com vários elementos de mundo pós-apocaliptico, vale muito a pena a leitura. E no final, uma drástica mudança de cenário, e o caminho para o segundo, Prova de Fogo, que eu já comecei a ler!
Maze Runner: a verdade é terrível demais para encarar Maze Runner: a verdade é terrível demais para encarar Reviewed by Jyuuken Cronicaex on 18:55:00 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.