Guardiões da Galáxia Vol. 2

Fui ver o segundo Guardiões da Galáxia. Não levo comigo expectativas mais, já entendi que aquela grande epopeia da Marvel, onde filmes e seriados estão intrinsecamente interligados em eventos que irão culminar em uma grandiosa batalha. Não, eu já desisti dessa ideia.
Guardiões da Galáxia não move a trama infinita, e nem mesmo tem uma joia infinita. Ao invés disso, se foca em desenvolver um tanto mais seus personagens e suas relações. O grupo já abre o filme com uma dinâmica totalmente diferente do filme anterior, eles aprenderam a lutar juntos e vão lidando com os contratempos de um combate de maneira variada. Mesmo que ainda não se entendam totalmente.


O filme é muito colorido. Muito! Se reclamavam que a Marvel não é “sombria”, imagino que deve ter tido gente enfartando em plena sala de cinema. Os cenários são variados, com muitas formas, muitas cores, todas vibrantes. Tudo pulsa na tela, até mesmo as batalhas espaciais, com naves cheias de formas e cores, passando por asteroides com um brilho verde escuro. O que não é ruim, muito pelo contrário.

O filme é muito bonito visualmente. A raça nova apresentada, os Soberanos, que possuem todos peles douradas, e um comportamento altamente arrogante e narcisista, foi um dos pontos do filme que mais gostei.
Toda a sequência de abertura do filme foi muito boa. Os guardiões estão prestando um serviço aos Soberanos, proteger uma série de baterias que eram alvo de um monstro cheio de tentáculos, que queria se alimentar delas. E o filme abre com isso: uma grande cena de batalha desfocada, enquanto o pequeno Groot dança entre os créditos inicias, sempre a interagir com alguém que é arremessado pela fera e atrapalha sua dança.

E como sequência, os guardiões trocam as baterias pela Nebula. Gamora declara que eles pretendem entrega-la pela generosa recompensa. E, malandramente, Rocket rouba algumas das baterias, como um bônus.
Os Soberanos são tão orgulhosos que não admitem nenhum desaforo, e imediatamente iniciam uma perseguição aos guardiões, que não tem escolha, a não ser fugir. Grandes sequências de ação, e muita interação entre os personagens, abriram o filme de forma excelente. A partir daí, a trama central envolvendo Ego, o pai de Peter, se inicia.
É dado muito destaque a outros personagens que não tiveram tanto espaço no primeiro filme. Yondu é o que mais tem suas motivações e arrependimentos aprofundados, dando ao personagem uma dimensão muito maior.
E temos muitas piadas. Muitas mesmo. Algumas são ótimas, outras são boas, mas algumas são bem ruinzinhas. A verdade é que o filme não se leva a sério em momento algum, e algumas piadas foram grandes corta clímax, que pra mim acabou diminuindo o brilho do filme.




As músicas foram, evidentemente, escolhidas a dedo. Muitos diálogos giram em torno de suas letras, e tem significado com o que está acontecendo em tela. Não fica jogado, como em Esquadrão Suicida. Referências estão por toda parte, para quem tiver os conhecimentos para notar.
A trama principal é um pouco devagar, e o desfecho ficou um pouco abaixo do que eu esperava. Filme divertido, não há como negar, mas não me ganhou por completo. Já explico o porquê.
Quero ver essa trama Infinita logo. Já estamos sendo cozinhados por ela a tanto tempo, que qualquer coisa que não tenha a ver com ela só me deixa mais cansado de esperar, e aumenta meus temores de que no fim das contas, Thanos seja apenas mais um vilão qualquer...
Tirando isso, o filme cumpre o que promete. Diverte, e diverte bem, embora tenha seus defeitos, e suas frases piegas, tudo parece ter sido muito bem feito e muito bem pensado, nos entregando um filme coeso e visualmente muito bonito, com a melhor participação do Stan Lee de todos os tempos.

Ah, e não saiam do cinema tão cedo, são mesmo cinco cenas pós-créditos... os caras tão perdendo os limites...
Guardiões da Galáxia Vol. 2 Guardiões da Galáxia Vol. 2 Reviewed by Jyuuken Cronicaex on 21:18:00 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.